O negacionismo nas escolas

Será normal os conteúdos do cristianismo serem opcionais e os da identidade de género obrigatórios?

No debate entre António Costa e Francisco Rodrigues dos Santos, este disse a certa altura que é incompreensível que os conteúdos da Educação para a Cidadania sejam objeto de uma disciplina obrigatória – enquanto, por exemplo, os valores do cristianismo constituem (e bem, segundo ele) matéria opcional.

Em resposta, António Costa começou por dizer que não é crente, embora respeite os católicos, mas adiantou que estamos perante coisas diferentes: a Educação para a Cidadania é uma educação para a tolerância, para o respeito por opções diferentes, para uma sociedade democrática – ao passo que o cristianismo é uma religião, na qual as pessoas podem acreditar ou não.

Os valores da cidadania estão plasmados na Constituição, a religião católica não está.

E depois, pergunto eu? Recorde-se que a Constituição de 1976 falava de um país empenhado na «construção do socialismo». Ora, seria aceitável que todas as crianças nessa época fossem educadas obrigatoriamente para a construção de uma sociedade socialista? Deveriam desde pequenas ser formatadas para o socialismo?

O ‘socialismo’ desapareceu da Constituição, mas foi substituído pelo ‘politicamente correto’ –cujo instrumento de divulgação é hoje a Educação para a Cidadania. António Costa dizia a Rodrigues dos Santos que nesta disciplina se ensina «a tolerância, o respeito pelas opiniões dos outros, pelas opções dos outros». Ora, não é assim. O politicamente correto não é ideologicamente neutro – é uma doutrina que tende a ser totalizante, que tende a substituir as outras e impor-se como única. E que hoje constitui uma das grandes ameaças à liberdade. Em seu nome faz-se censura a toda a hora. Nas redes sociais, os artigos ou os vídeos ‘heréticos’ são retirados.

Ora, assim sendo, será legítima a existência de uma disciplina obrigatória que a propagandeia?

É claro que, como qualquer doutrina, o politicamente correto deve ser estudado. O fascismo, o comunismo, a democracia, a ditadura, os autoritarismos, os totalitarismos devem ser objeto de estudo. E já agora o cristianismo, embora constitua um caso à parte.

E isto porque os seus valores estão na base da construção da nossa civilização. Ao ensinarmos o cristianismo, estamos a ensinar História – pois ele faz parte integrante da formação da cultura europeia, da identidade europeia.

Mas se todas as ideologias devem ser estudadas, cada coisa tem o seu tempo.

E isto é decisivo.

Torna-se evidente que, ao ensinarmos a ideologia de género a uma criança, não estamos a ensinar-lhe nada – estamos a doutriná-la. Porque a criança parte do princípio de que só lhe ensinamos ‘o bem’.

Se lhe dissermos que uma menina pode ser um menino, ela fica baralhada – mas acha que isso é a verdade. Não discute.

Mas será isto legítimo? Será legítimo doutrinarem-se crianças numa certa ideologia? Uma ideologia, de resto, negacionista, pois não há maior negacionismo do que negar-se a própria natureza.

A natureza diz uma coisa mas a doutrina diz outra – alegando que a ‘biologia’ e a ‘identidade de género’ são realidades diferentes. Ou seja, que o facto de uma menina ser fisicamente uma menina não quer dizer nada, pois o que interessa é a forma como se ‘sente’. A biologia não interessa. A natureza não interessa. A realidade não interessa.

Com base numa subjetividade discutível, e impossível de demonstrar, contradiz-se a realidade biológica.

É estranho como isto pode ser objeto do currículo obrigatório.

Por mais voltas que se deem, a obrigatoriedade da frequência da Educação para a Cidadania nas escolas é uma aberração.

Para além do mais, as pessoas não têm que ser ensinadas pelo Estado a ser ‘boas cidadãs’, até porque há várias formas de o ser. O papel de educar os filhos para a vida em sociedade compete às famílias. Sempre foram os regimes totalitários que quiseram sobrepor-se às famílias na educação das crianças. Assim foi na Rússia comunista como na Alemanha nazi. Em democracia, isso é inadmissível. A existência de uma disciplina chamada Educação para a Cidadania já é muito discutível. Mas deixem ao menos os pais decidirem livremente sobre se querem ou não que os filhos a frequentem.

Será pedir muito?

José António Saraiva, In Nascer do Sol, 15.01.2022


Publicado em 2022-01-20

Notícias relacionadas

«O Estado Novo [ainda] não saiu de Portugal»

Mário Pinto, in Observador - 30 jul 2022

Se as valas comuns eram uma farsa, por que o Papa está pedindo desculpas no Canadá?

Francisco Vêneto - publicado em 26/07/22, in Aleteia

Abusos sexuais, estado de direito e “caça às bruxas”

Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

O Estado e o catecismo da religião do género

Senhor ministro da Educação, se não quer ficar na história como o Inquisidor da propaganda de género, desbloqueie este nó górdio por si criado pois tem no Parlamento uma maioria do seu partido.

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

Isabel Ricardo Pereira, In 7Margens, 6.07.2022

"Direito constitucional" ao aborto?

Jorge Bacelar Gouveia

desenvolvido por aznegocios.pt