Dúvidas e receios

Aborto e valores europeus

Consolidar o aborto como direito fundamental poderia impedir objeção de consciência ou prazo limite para a sua realização.

O Presidente francês Emmanuel Macron, no discurso de abertura da presidência francesa do Conselho da União Europeia, anunciou o seu propósito de incluir entre os direitos reconhecidos pela Carta Europeia dos Direitos Fundamentais o direito ao aborto. Considera que esse alegado direito faz parte daqueles valores a que se tem chamado “valores europeus”.


De imediato me veio à memória, a propósito, o que ouvi a um bispo polaco, numa reunião de responsáveis católicos, no Vaticano, sobre o futuro da União Europeia: como poderia crescer, entre os católicos polacos, o apreço por este projeto quando se apresenta a legalização do aborto como parte dos “valores europeus”?


A proposta do Presidente francês muitas e variadas implicações acarretaria.


A questão do aborto começou por ser apresentada como uma questão de simples despenalização (“todos somos contra o aborto, não queremos incentivá-lo, só não concordamos com o julgamento e prisão de mulheres que abortam”). As perguntas formuladas nos dois referendos que em Portugal abordaram a questão apontavam nesse sentido; aludiam a “despenalização”, não a “legalização” ou “liberalização”. Chegamos agora à pretensão de atribuir ao aborto o estatuto de “direito humano fundamental”. Parece que também nesta área se assiste a uma “rampa deslizante”, a um alargamento progressivo.


Na verdade, nunca esteve em jogo nesses referendos uma simples “despenalização”. Despenalizar uma conduta (como sucedeu em Portugal, em determinadas condições, com o consumo de droga) não significa necessariamente legalizar tal conduta. O aborto passou a poder ser praticado em Portugal (como em muitos países europeus) com a colaboração ativa do Estado (o que não sucedeu, até agora com o consumo de droga, que continuou a ser sancionado como contraordenação). Uma conduta pode deixar de ser penalizada (é o que sucede na Polónia com a conduta da mulher grávida que aborta) sem ser legalizada (nesse país é penalizada a conduta do médico que pratica o aborto quando a gravidez não resulte de violação ou não esteja em causa algum perigo para a vida ou saúde da mulher grávida).


O que em Portugal se verifica é uma legalização do aborto (por isso, é praticado com a colaboração ativa do Estado), mais do que uma despenalização. Nesse sentido, pode falar-se no reconhecimento de um direito ao aborto. Mas esse direito não tem a natureza de “direito humano fundamental”, como tal constitucionalmente tutelado. Por isso, não pode, indubitavelmente, sobrepor-se ao direito à objeção de consciência, esse sim, constitucionalmente tutelado como corolário da liberdade de consciência e de religião (artigo 41.º, n.º 6, da Constituição portuguesa).


Se o direito ao aborto fosse inscrito na Carta Europeia dos Direitos Fundamentais, daí decorreriam muito relevantes consequências.


Até agora, sempre se considerou que o estatuto jurídico do aborto não entra no âmbito das atribuições da União Europeia e cabe no das jurisdições nacionais. Isso mesmo é claramente declarado na Tratado de adesão de Malta, país que continua a proibir em absoluto a prática do aborto. O reconhecimento do aborto como direito incluído na Carta Europeia dos Direitos Fundamentais negaria aos Estados membros a liberdade de estabeleceram não só qualquer regime de proibição do aborto, como o de Malta, mas também qualquer regime mais restritivo (que seguisse o chamado sistema de “indicações”), como o da Polónia ou o que em Portugal vigorou até ao segundo referendo. Também estaria vedada a proibição (como vem sendo proposto nalguns Estados norte-americanos) do chamado “aborto seletivo”, isto é, do aborto determinado pelo sexo do nascituro (na prática, quase sempre do sexo feminino).


Mais ainda: poderia considerar-se até que um sistema de limitação de prazos (como o que entre nós vigora atualmente, tal como sucede na generalidade dos países europeus) seria contrário a tal suposto “direito fundamental”. É de salientar, a propósito, que em França foi recentemente aprovado o alargamento do prazo da legalização/liberalização do aborto para as catorze semanas (e uma proposta análoga foi apresentada em Portugal na legislatura anterior), o que suscitou até a oposição de alguns partidários da legalização, por o aborto nessa fase envolver uma prática mais danosa e cruel para com o feto e acrescidos perigos para a mulher. Mas reconhecer o aborto como direito humano fundamental significaria que qualquer limitação de prazos (até a de catorze semanas) seria inaceitável.


Reconhecer o aborto como direito fundamental já não permitirá afirmar inequivocamente que a ele se sobrepõe o direito à objeção de consciência. Nessa linha, de limitação do direito à objeção de consciência, já se pronunciou a tão contestada resolução do Parlamento Europeu (aprovada no ano passado) “sobre a situação da saúde e direitos sexuais e reprodutivos na União Europeia”, baseada no chamado relatório Matic. O direito à objeção de consciência perante a prática do aborto, reconhecido em quase todos os países da União Europeia (as exceções são as da Suécia e da Finlândia) seria, assim, seriamente ameaçado.


Mas o que, sobretudo, deve ser evidenciado é a distorção que introduziria na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia o reconhecimento do aborto como direito humano fundamental. Uma Carta que proclama, logo nos seus primeiros artigos, a inviolabilidade da dignidade do ser humano (artigo 1.º) e o direito à vida (artigo 2.º, n.º 1), proclamaria também o suposto direito de suprimir a vida de outro ser humano.


É injustificável tal contradição. Não está em causa a autodeterminação corporal, pois toda a evidência científica revela que não está em causa uma parte do corpo da mulher (longe vão os tempos da antiga Grécia, em que se considerava o feto “parte das vísceras” da mulher, quando, além do mais, não havia ecografias…). Não está em causa o livre desenvolvimento da personalidade, pois este não se realiza contra os outros, mas com os outros. O princípio da igualdade (consagrado nos artigos 20.º e 21.º da Carta) veda qualquer discriminação na proteção do direito à vida: não é menos merecedor de proteção o ser humano nas fases iniciais da sua existência, quando está ainda privado de algumas das faculdades que virá a ter mais tarde; pelo contrário, a sua maior vulnerabilidade nessas fases justificará uma maior proteção.


Uma não menos relevante consequência desta proposta de Emmanuel Macron situa-se no plano político e cultural.


Num tempo em que, como talvez nunca antes se tenha verificado na história do projeto de unidade europeia, cresce o chamado euroceticismo, seria bom reforçar nos europeus a consciência de pertença à Europa como comunidade de valores com sólidas raízes históricas e culturais. Uma Europa assente num mero jogo de equilíbrio de interesses nunca poderá mobilizar o entusiasmo dos europeus e o seu sentido de pertença a uma comunidade alargada. É nesse contexto que permanecem atuais os apelos dos sucessivos Papas à valorização das raízes cristãs da cultura europeia.


Ora, será difícil encontrar algo de mais contrário às raízes cristãs da cultura europeia do que associar o aborto aos “valores europeus”. E nada de mais “fraturante” e pouco consensual. Nada de mais favorável ao crescimento do euroceticismo. É compreensível a pergunta do bispo polaco a que me referi de início: como poderá crescer, entre muitas e variadas pessoas, o apreço pelo projeto de unidade europeia quando se apresenta a legalização do aborto como parte dos “valores europeus”?


Pedro Vaz Patto, in 7Margens | 14 Mar 2022

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz.

Publicado em 2022-03-15

Notícias relacionadas

«O Estado Novo [ainda] não saiu de Portugal»

Mário Pinto, in Observador - 30 jul 2022

Se as valas comuns eram uma farsa, por que o Papa está pedindo desculpas no Canadá?

Francisco Vêneto - publicado em 26/07/22, in Aleteia

Abusos sexuais, estado de direito e “caça às bruxas”

Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

O Estado e o catecismo da religião do género

Senhor ministro da Educação, se não quer ficar na história como o Inquisidor da propaganda de género, desbloqueie este nó górdio por si criado pois tem no Parlamento uma maioria do seu partido.

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

Isabel Ricardo Pereira, In 7Margens, 6.07.2022

"Direito constitucional" ao aborto?

Jorge Bacelar Gouveia

desenvolvido por aznegocios.pt