A palavra da violência

Armindo Vaz, OCD

A Bíblia é uma auto-estrada de sentido para a vida. Contém textos que, pelas circunstâncias que os ditaram, pelo tema que tratam ou pela significação que abrem para o presente, estão destinados a inspirar a vida de sempre. É o caso da bem conhecida história de Caim e Abel no capítulo 4 do Génesis.

O narrador hebraico tinha experiência de histórias humanas escritas com sangue. Quando os seus actores eram irmãos de sangue, essas histórias reflectiam o crime tenebroso. Como entender o fratricídio? Para responder ao ódio mortal entre irmãos biológicos, o autor elevou ao nível do divino as relações estruturantes entre irmãos. Fê-las remontar ao próprio Deus, dizendo que foi Ele que as criou nas origens de tudo, como princípio e fundamento da ideal convivência social e familiar. A fraternidade biológica aparece aí instituída por Deus (visto como criador em todos os relatos até Génesis 11,9). E os dois protagonistas Caim e Abel, pelo contexto – das origens da vida humana –, pela estrutura do relato e pela sua linguagem simbólica, não são históricos. Com a acção invasiva e o silêncio simbólicos querem iluminar aspectos custosos da vida humana. Põem a nu a radical contradição que pode tomar posse do coração humano, tornando o homem lobo para o homem. De facto, a imaginada personagem Caim não respeita o irmão, por estar humana e geograficamente muito perto, contíguo, fazendo-lhe sombra na casa comum. A proximidade de Abel tornava-o inimigo e levou Caim à invasão fratricida do espaço do irmão. O muito que tinha não lhe bastava. Sentia-se constrangido, incomodado na sua vida autocentrada.

Realmente, a fraternidade é-lhe dada por Abel. Antes de ele nascer, Caim nem tinha irmão. Abel é que faz dele irmão. Ao sê-lo, Caim era para o irmão, assim determinado e definido por Deus, que lhe diz: “Por que estás zangado e de rosto abatido? Se procederes bem [tratando o irmão como irmão], poderás voltar a erguê-lo…” Mas Caim perde de vista o bem, cego para a fraternidade. Não tem olhos para o irmão. Perde o sentido do irmão e da ordenação divina dos laços humanos. Não quer ter irmão, nem como vizinho: “Não sei dele; sou porventura o guardião do meu irmão?” Com esta resposta irónica, denota cinismo e indiferença para com o alcance da relação fraterna. Não sente o rosto do irmão a dizer-lhe que o seu eu não é tudo o que existe no mundo e que se deve medir com as exigências do tu do irmão.

É de notar que, segundo a lógica narrativa, Caim não tem nada contra a presença de Deus. Até lhe faz ofertas cultuais. O que não suporta é a existência e a presença daquele que o relato figurativo lhe aponta como irmão. Não investiu no irmão. As suas ofertas a Deus foram religião vaporosa que investiu na radical aniquilação da pessoa, ao perverter a sua essência própria, a sua estrutural relação fraterna. Investindo contra o irmão e matando-o, matou o outro de si próprio, tornando-se o deserto de si próprio: ficou só, com o seu remorso. É esse o significado da sua “expulsão da terra” por parte de Deus.

O relato figurativo deixa ver a fraternidade biológica como decisão divina que compromete todas as decisões existenciais que os humanos tomam e com as quais se aceitam ou se recusam mutuamente no aglomerado familiar. Pondo Deus a pedir contas a Caim do irmão Abel (“onde está o teu irmão?”), este relato de criação sugere que a guarda do irmão pelo irmão é querida por Deus.

Para esta guerra contra o irmão de sangue não aparece outra razão que não seja a prepotência. O texto hebraico só diz que “Caim disse a Abel, seu irmão [as traduções antigas acrescentam: vamos para o descampado]. E aconteceu que, quando estavam no descampado, Caim se lançou sobre Abel, seu irmão, e o matou”. É uma agressão especial e extrema que simboliza o pior do ser humano enquanto aniquilador de humanidade; simboliza a sua potência maléfica, destruidora até do irmão. É a linha vermelha aonde o verdadeiro humanismo nunca deveria chegar e para além da qual não se pode dizer mais nada. O ódio de Caim pelo seu irmão, porque é seu irmão, é o excesso do ódio: é o que não deveria existir, porque o ódio infecta a alma e destrói a pessoa. Também ‘diz’ o total “falhanço/fracasso” (atta’t) da vocação do ser humano, que se diz criado para ser irmão, profissionalmente integrado (Caim agricultor – Abel pastor), mas se torna “fugitivo” de si próprio e da consciência de «não realizado» humanamente. Pondo Caim a confessar a Deus “o meu crime é demasiado grave para o poder suportar”, o narrador sublinha o desespero dramático do fratricida: o ser humano não é capaz de aguentar e gerir a monstruosidade de matar o irmão, sangue do seu sangue; essa maldade radical abruma o fratricida com uma carga insuportável, excessiva em consequências: “Tenho de esconder-me da Tua presença” (os tradutores gregos e a Vulgata latina entenderam o verbo naa’-suportar com o possível sentido de perdoar: “a minha culpa é demasiado grave para ser perdoada”). Porque perde a humanidade, o fratricida não consegue suportar o olhar de Deus omnipresente: prova permanentemente o fel vertido pela consciência, como o livro dos Provérbios dita clamorosamente (28,1): “O malvado foge sem que o persigam”, mesmo parado.

Armindo Vaz, OCD, Boletim de Espiritualidade, Nº. 97 – Julho 2022

Ilustração: A morte de Abel (depois de 1539) COXCIE, Michiel – Museu do Prado, Madrid


Publicado em 2022-07-01

Notícias relacionadas

«O Estado Novo [ainda] não saiu de Portugal»

Mário Pinto, in Observador - 30 jul 2022

Se as valas comuns eram uma farsa, por que o Papa está pedindo desculpas no Canadá?

Francisco Vêneto - publicado em 26/07/22, in Aleteia

Abusos sexuais, estado de direito e “caça às bruxas”

Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

O Estado e o catecismo da religião do género

Senhor ministro da Educação, se não quer ficar na história como o Inquisidor da propaganda de género, desbloqueie este nó górdio por si criado pois tem no Parlamento uma maioria do seu partido.

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

Isabel Ricardo Pereira, In 7Margens, 6.07.2022

"Direito constitucional" ao aborto?

Jorge Bacelar Gouveia

desenvolvido por aznegocios.pt